Artista visual Guto Holanda estreia a exposição Vértices da Alma no Hotel Globo

Acostumado a criar obras para o público admirar, o artista visual Guto Holanda também tornou-se objeto de contemplação e investigação. Do olhar sobre o trabalho, a personalidade e os traços do pintor, a produtora cultural e curadora Renata Cabral desenhou os caminhos de Vértices da Alma, nova exposição do artista paulistano radicado na Paraíba.

“Guto enxerga o seu mundo tal qual expressa nas suas obras. Sua pintura cresce de desenhos constituídos por traços, conduzidos a um fechamento que resulta na transparência. Algo como a pintura de um objeto vazado. Objeto que é a figura do eu do artista”, observou Renata Cabral.

Obras da exposição Vértices da Alma. Foto: Divulgação

As percepções da artista plástica sobre a obra de Guto Holanda também dão título a exposição. “Sua pintura, sempre figurativa e colorista, traz a insistência da autoimagem como principal tema. Essa imagem andrógina e tão clara, constituída desses traços que ora chamo de vértices, os tais Vértices da Alma. Pois a arte, para Guto, vem desde o ventre”, ressaltou.

Artista autodidata, desde a infância a criação artística circunda a vida de Guto Holanda, influenciado pelo pai que o levava para museus e exposições em São Paulo. Desde 2008 o pintor experimenta os mais diversos estilos. A prática e a experiência o levaram a desenvolver uma estética própria.

Momento de criação de Guto Holanda em um oratório. Foto: Eliz Patrício

“Vértices da Alma” também reflete um período introspectivo vivido pelo artista. “Ultimamente, tenho passado pelo resgate de momentos pessoais muito fortes. Seria a época em que fui atropelado, aos 8 anos. Revivo as sensações daquele momento: dor, solidão, recuperação, expectativa. Tudo o que fiz para as horas de internação passarem mais rapidamente, o silêncio das noites, as músicas, o carro, a atmosfera, as cores, estar entre a vida e a perda”, relembra Guto Holanda.

A exposição é composta por mais de vinte peças em diferentes suportes como lenços de seda, blocos de madeira, telas, placas de raio-x e acetato, cujas características são a transparência e as tintas acrílicas coloridas, marcas do artista.

Chapas de raio-x viraram obras de arte. Foto: Divulgação

Na mostra, a figura do diamante está presente em várias obras. Tudo começou com um deles pintado por uma aluna e que despertou a atenção do artista. “Ele era tão diferente! Havia algo especial. Depois percebi que os diamantes estão expostos em muitas obras artísticas. Tive vontade de pintar os diamantes e entender o que eles estão significando para os jovens”, disse o artista.

A visão do artista também alimentou a curiosidade de Renata Cabral que estreia como curadora nessa exposição. “Eu intimamente, passei a me perguntar se eu conseguia identificar esses tantos diamantes aos quais Guto se referia. Foi quando eu entendi a identificação particular e inconsciente do artista Guto com o objeto que contém a linguagem de sua própria expressão artística”, relata.

A abertura de “Vértices da Alma” ocorre nesta sexta-feira (1), às 16h, no Hotel Globo, no Centro Histórico de João Pessoa, com vernissage e apresentação do músico Júnior Cordeiro. A exposição segue em cartaz até o dia 12 de janeiro.

Serviço

Exposição Vértices da Alma

Dias: 1 de dezembro de 2017 até 12 de janeiro de 2018

Local: Hotel Globo, no Largo de São Frei Pedro Gonçalves, Praça São Pedro Gonçalves, nº 7, Varadouro – João Pessoa (PB)

Entrada: Gratuita


Com informações: Renata Cabral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *