Bahia: Auxiliar de cabeleireiro constrói “Ferrari” com sucata

Geovane Félix Ramos dos Santos, 23 anos, um jovem auxiliar de cabeleireiro, dirige a sua “Ferrari” pelas ruas de Paramirim, cidade de 26 mil habitantes, situada no Sudoeste da Bahia.

O jovem não ganhou na Mega-Sena, e não nasceu em berço de ouro. Ele é Filho de serralheiro, e cresceu entre o ambiente de trabalho do pai e uma oficina de moto, realizando serviços nos dois locais. Quando um estava parado, ia para o outro.

Utilizando os seus conhecimentos Geovane realizou o sonho de ter um modelo único do carro italiano. No entanto, o carro não é um desses que são vendidos na concessionária da verdadeira Ferrari, em São Paulo, por R$ 4,4 milhões.

Ferrari made in Bahia

Ferrari made in Bahia. Foto: Marcos Domício | Site Paramirim Eventos

O Ferrari made in Bahia, de Geovane, tem motor de motocicleta de 200 cilindradas, painel de Del Rei, lataria da sucata da lateral de um ônibus, caixa de marcha de Gol e volante de Fusca. As rodas de aro 17 foram construídas por ele mesmo, assim como os bancos e o chassi.

Encomendou apenas os vidros escuros, feitos sob medida, e depois ele mesmo pintou o carro. Bem mais barato que a Ferrari original, o modelo sob medida de Geovane custou R$ 6 mil. Pesando 500 kg, o carro também corre bem menos que o original. No máximo, chega a 40 km por hora.

“Fiz só para dar uma voltinha aqui na cidade mesmo”

Veículo com placa italiana. Foto: Marcos Domício | Site Paramirim Eventos

O carro tem lugar para duas pessoas. Nos fundos, uma placa com o nome “Itália” e a identificação “G2017V”. O ‘G’ é de Geovane e o ‘V’ de Vanessa, a esposa. O rapaz contou como tudo começou:

“Comecei aos poucos a construir o carro em outubro do ano passado, nos fundos da oficina do meu pai. Comecei pelo chassi, depois as rodas. A parte elétrica é toda de moto; fui fazendo as adaptações. A ignição é eletrônica, todos os faróis e piscas dianteiros e traseiros funcionam, assim como a luz de freio”.

A Ferrari de Geovane vista de cima.  Foto: Marcos Domício | Site Paramirim Eventos

Imagine o que tem de gente interessada para que Geovane faça uma troca do carro dele, por um convenciona, mas ele não quis, e está aproveitando o sucesso da sua Ferrari. No dia 1º de setembro vai expor o veículo em um evento de motociclistas em Paramirim.

O inventor não para por aqui, e pretende montar um Lamborguini Aventador, “daqueles que abrem as portas para cima”. “Mas vamos ver se consigo o dinheiro”, diz Geovane que, aos 14 anos, criou uma moto com motor de Fusca, no estilo da Harley-Davidson, trocada por um veículo Escort que valia, segundo ele, cerca de R$ 4 mil.

O dom de criar é de família

O inventor Geovane Félix, e a família, que deu apoio no projeto. Foto: Marcos Domício | Site Paramirim Eventos

O pai de Geovane, José Félix dos Santos, criou, na década de 1980, um avião híbrido, que não chegou a voar, mas foi exposto à população, despertando a curiosidade geral. A aeronave foi feita com motor de Volkswagen para dois ocupantes.

Em Paramirim, a Ferrari baiana é o assunto mais comentado desde que ele colocou o carro para rodar. “Ele fez o carro escondido, ninguém sabia. Todo mundo ficou admirado com a Inteligência dele”, disse o amigo Ronaldo Oliveira de Almeida, 34, gerente de um supermercado local.

A atendente de farmácia Rosângela Cristina Santos Silva, 35, achou o carro “inovador” e a atitude de Geovane “corajosa”. “Não vi ainda o carro ao vivo, só fotos, mas adorei. Quem não quer andar de Ferrari, ainda mais feita com as próprias mãos?”, comentou.

Produção independente

Jovem baiano constrói “Ferrari” com sucata e faz sucesso. Foto: Marcos Domício | Site Paramirim Eventos

Geovane diz que não está tendo problemas com as autoridades de trânsito para rodar com o carro em Paramirim. Mas, segundo o advogado especialista em trânsito, João Paulo Ribeiro Martins, para regularizar a situação basta o inventor ir até o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e dar entrada no pedido de registro de produção independente.

“Os próprios órgãos públicos fornecem, por exemplo, o número do chassi. E aí ele vai ter de fazer outras coisas, como a vistoria presencial, emplacamento, etc. Tudo com base nas leis de trânsito vigentes no Brasil”, orienta o advogado João Paulo. 

Com informações: Correio24horas / F7Notícias / Blastingnews

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *